Vistoria das obras!

Ontem esta Gestora Ambiental acompanhou a vistoria das obras feita rotineiramente pelo Fiscal de Obras do DNIT, Gerenciadora de Obras e Supervisora de Obras.

Veja as imagens:

img_1080

Visita à OAE de acesso à Rua Augusto Signorini Da direita para a esquerda: Clevis Miranda (Gerenciadora de Obras), Marcelo Garcia (Gestora Ambiental) e Ademir Marques (Fiscal de Obras do DNIT – substituto)

img_1084

Visita à OAE de acesso à Avenida Murchid Homsi Clevis Miranda (Gerenciadora de Obras), Marcelo Garcia (Gestora Ambiental), Ademir Marques (Fiscal de Obras do DNIT – substituto) e Carlos Ferreira (Supervisora de Obras)

img_1086

Visita à OAE de acesso à Avenida Murchid HomsiClevis Miranda (Gerenciadora de Obras), Marcelo Garcia (Gestora Ambiental), Ademir Marques (Fiscal de Obras do DNIT – substituto) e Carlos Ferreira (Supervisora de Obras)

Gestão ambiental da BR-153

Caro leitor,

Conheça as ações de meio ambiente realizadas na obra da BR-153 e fique por dentro do que acontece nos Programas Ambientais!

Acesse os links abaixo:

Projeto de Compensação Ambiental

Análise dos recursos hídricos

Plano de Controle de Emissões Atmosféricas

Programa de Comunicação Social

Plano de Redução de Ruídos

Treinamento Ambiental

As obras estão a todo vapor!

Confira abaixo vídeos da concretagem da OAE de acesso à Rua Augusto Signorini!

Ilustre presença na obra da BR-153

Hoje tivemos a ilustre presença do Coordenador de Engenharia do DNIT no empreendimento da Rodovia BR-153, para vistoriar e fiscalizar a execução dos serviços. Além disso, acompanharam a vistoria em questão o Fiscal de Obras do DNIT, a Supervisora de Obras, a Gerenciadora de Obras e a Gestora Ambiental.

Confira as imagens abaixo!

Ministério do Meio Ambiente fará investimentos de R$ 23 mi em nascentes

Iniciativa visa ampliar oferta de água em regiões metropolitanas, que já vivenciam restrições de abastecimento

O Fundo Nacional de Meio Ambiente (FNMA) deve contratar, ainda neste ano, dez projetos para a recuperação de nascentes em áreas de preservação permanente. A iniciativa, que contará com R$ 23,5 milhões em investimentos, tem como objetivo ampliar a oferta de água em regiões metropolitanas, com população acima de um milhão de habitantes, que já vivenciam restrições de abastecimento.

“A recuperação das nascentes contribui para aumentar a oferta de água e para a melhoria na qualidade de vida dessas populações”, ressaltou o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho.

Do total de projetos que serão contemplados em 2017, cinco foram apresentados por instituições públicas da Bahia, São Paulo, Distrito Federal e Minas Gerais. O restante das propostas foi apresentado por organizações da sociedade civil, localizadas no Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e também São Paulo.

A analista ambiental Miriam Miller, do Ministério do Meio Ambiente, explicou que a intenção é contratar todos os projetos durante o primeiro semestre, mas alerta que está condicionado à disponibilidade de orçamento do Fundo e dos parceiros.

Segundo Miriam, além de contribuir para a produção de água, os projetos também colaboram para a agenda Clima. “O Brasil se comprometeu a restaurar 12 milhões de hectares até 2030 e esses projetos também contribuirão para o alcance dessa meta”, esclareceu a analista.

Nascentes

Dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) indicam que o Brasil tem cerca de 1,5 milhão de nascentes em propriedades privadas e posses rurais. De acordo com o levantamento, os estados de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, juntos, abrigam quase 50% dessas nascentes.

Instituído pelo Código Florestal, o CAR é um registro público onde os proprietários e possuidores declaram o perímetro de seus imóveis rurais, as áreas destinadas para a produção, as áreas de preservação permanentes (margens de rios, nascentes, áreas inclinadas e topos de morros) e as reservas legais.

Fonte: Portal Brasil

E as obras continuam!!!

Confira a concretagem das vigas da OAE de acesso à Avenida Murchid Homsi!

Resolução da Secretaria do Meio Ambiente e da Cetesb agiliza emissão de Licença Prévia a pequenas empresas

Uma resolução publicada pela Secretaria do Meio Ambiente e pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) deixou a emissão de licença prévia mais barata e mais rápida para pequenos e médios empreendedores.

Agora, eles vão levar no máximo 30 dias para conseguir a licença. Antes dessa medida, o processo era bem mais demorado e exigia que os empresários pagassem do próprio bolso as publicações que eram obrigados a fazer na imprensa sobre o pedido da licença. Pela resolução nova, não existe mais essa obrigatoriedade.

A única publicação exigida a partir de hoje é a feita pela Cetesb, que é gratuita.

Essa resolução faz parte de um pacote de medidas que o secretário do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tem adotado para dar mais agilidade nos procedimentos da pasta.

“Precisamos simplificar e agilizar procedimentos, sem gerar custos desnecessários ao setor privado”, disse Salles.

A Resolução SMA – 102, de 21-12-2016 foi publicada na edição do dia 22 de dezembro do ano passado do Diário Oficial.

Fonte: Secretaria do Meio Ambiente 

Redução da poluição do ar chega ao campo

Máquinas agrícolas e rodoviárias sairão de fábrica com motores menos poluentes. Medida vai contribuir para melhorar a qualidade do ar.

A redução da poluição por carros, ônibus e caminhões nas cidades e estradas chega ao campo neste ano. A partir de 2017, tratores agrícolas e colheitadeiras a diesel comercializadas no Brasil serão equipadas com motores menos poluentes. Segundo informações da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), a redução da emissão de poluentes atmosféricos, que são prejudiciais à saúde humana, é bastante significativa, podendo chegar a 85% de redução na emissão de particulados e até 75% na emissão de óxidos de nitrogênio (NOx).
Esta é a segunda etapa de implantação da fase MAR-I, do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), voltado para essa categoria de motores, que representa, em média, 36,8 mil unidades novas por ano no mercado.
A diretora de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Letícia Carvalho, explica que esta etapa é importante, pois antes da implantação desta fase as máquinas agrícolas não possuíam qualquer tipo de controle de suas emissões. “Assim, a medida vai contribuir para a melhoria da qualidade do ar, reduzindo o impacto dos poluentes na saúde do trabalhador do campo e no meio ambiente”, detalha Letícia.
CONSTRUÇÃO CIVIL
A medida atinge também as máquinas que operam com a construção civil. Os novos motores com potências que vão de 25 cavalos (o equivalente a uma motocicleta pequena) até 571 cavalos  (potência de sete automóveis populares) são os primeiros a serem adaptados às novas exigências. Os que superam essas potências têm até 2019 para atender às novas regras estabelecidas pelo Proconve.
Os principais poluentes que terão suas emissões reduzidas nos novos motores de uso agrícola e rodoviários são o NOx (Óxidos de Nitrogênio), o Monóxido de Carbono (CO), os hidrocarbonetos e os particulados.  Todos eles são prejudiciais à saúde e poluem o meio ambiente. O Proconve vem conseguido reduções significativas nos níveis de emissões dos motores, aproximando-se dos padrões europeus.